Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não, mas agora a sério...

Estava a gozar.

Não, mas agora a sério...

Estava a gozar.

11.Jul.18

Tipos de pessoas em avaliações

Já vos aconteceu acabarem em tempo recorde um exame porque sabiam tudo? Pois, nem a mim. No entanto, de todas aquelas vezes em que fico a olhar para o lado por não saber mais e o que saber não ser suficiente, gosto de reparar na variedade de pessoas e nos seus comportamentos. 

 

Toda a gente sabe que o único material necessário para a realização de uma prova teórica é uma caneta. Vá, para os mais ansiosos aceitam-se duas, não vá a primeira fazer uma birra e não escrever. Portanto, se há pessoas que me metem um bocado de impressão são aquelas que levam o estojo para o exame... ou melhor, o seu conteúdo, porque estojos (ou porta-lápis para outros) não são permitidos. É canetas, é borrachas, é lápis, é corretor, post-its... ok, já estou a  exagerar.

 

Mas o mais impressionante é ver que há mesmo pessoal que faz primeiro o exame todo a lápis e depois passa a caneta. Não vá o professor de anatomia dar uma nota mais baixa pela má apresentação ou por aquela bola na opção (A) toda disforme. Depois é vê-los 5 min antes do fim, todos vermelhões a apagar que nem os perdidos e a abanar o auditório com tamanha determinação, porque temem não ter tempo de passar tudo e o professor cagar nas respostas a lápis. E tinha lógica. Uma pessoa que não percebe que quem está a corrigir 200 exames de escolha múltipla se está bem a cagar para se as coisas estão riscadas ou não, se calhar não tem competências para passar para a próxima fase. 

 

Outra coisa que eu reparo, mas não julgo, é no desespero (por vezes próprio). Eles olham para a direita, eles olham para a esquerda, eles levantam ligeiramente o cóxis, eles tentam sacar os auxiliares... Eles tentam tudo, mas não levam nada. Estou a brincar, na maioria das vezes até resulta e muitas vezes é mesmo a única maneira. 

 

Todas estas operações de risco vão depender de quem estiver a controlar:

Desde o professor muito ocupado a corrigir exames e portanto sem grande atenção, passando pelo regente que exige 3 pessoas na sala a vigiar, até ao professor exaltado e que relembra 5x que não é permitido falar com o companheiro do lado. Não vá alguém comentar o tempo e alegar que desconhecia a regra. No entanto, todos eles têm algo em comum: a paranoia dos telemóveis. "Já sabem que não é permitido telemóveis!", "quem tiver telemóveis não os pode ter consigo!", "se apanharmos um telemóvel, mesmo que desligado, têm o exame anulado!", epa ya, já percebemos. Mas aqui para nós, quem leva sabe bem a regra e tem um propósito. Não é por escreverem no quadro ou sublinharem a frase no cabeçalho do exame que vão dissuadir alguém que, provavelmente, já está por tudo e qualquer coisa. 

 

Quanto a mim, à excepção de levar o kit do continente para o exame,se calhar já me revi em alguns dos comportamentos citados. Mais vezes não foram porque tenho um bocado a mania da perseguição. O professor podia até estar nos lavabos que eu iria achar que, de alguma forma, estaria a dar cana. Estudasses...

 

 

 

 

 

 

2 comentários

Comentar post