Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Não, mas agora a sério...

Estava a gozar.

Não, mas agora a sério...

Estava a gozar.

24.Jul.18

Raios partam as feministas, preciso de um piropo!

Foi aqui há uns tempos (opa desculpem, mas não me apetece ir ver a data e dar uma de intelectual) que o piropo foi criminalizado. Diz a definição que um piropo é uma forma de lisonjeio, uma maneira de dizer a alguém que gosta do físico de outra pessoa. É um boost na auto-estima.

 

 

Baseando-se nesta definição e vendo que a mesma foi distorcida e confundida com o "assédio" (uhhh isto soa a grave), veio o tuga todo revoltado dizer "Opa, flores de estufa do ca****, agora já nem se pode elogiar ninguém, f***-se!", e desculpem, mas eu tenho que lhes dar razão. 

 

Andamos a tentar reconstruir uma sociedade desprovida de auto-confiança. São cada vez mais as árvores abatidas para livros de auto-ajuda que tentam ensinar a auto-aceitação, a melhoria da auto-estima e essas tretas todas que o Gustavo Santos percebe bem. Andamos a destruir o ambiente para essas merdas. Andamos a subir egos a "profissionais", tipo astrólogos, helenas e tudo mais, que heroicamente tornam a vida de pessoas fragmentadas mais sustentável. E quando o trolha, interrompe a montagem do passeio e tenta contribuir para o desenvolvimento da sociedade pumba! É logo um "tá calado que isso é crime, oh porco!", "Chamem a polícia, algemem-no!" Acho mal.

 

Não pode ser. Mas dizer "Bom dia, minha senhora, está muito bem vestida hoje" ou então um "Oh dona Maria, as aulas de hidroginástica estão a surtir efeito!" faz algum mal a alguém? Agora não podemos elogiar? E antes que venham com as tretas de que esta lei só se aplica a adolescentes e crianças: eu já sei disso. Mas eu não imagino como é que um elogio as pode perturbar. "Quem é a menina mais linda da cidade, quem é?", "Oh Joana, estás grande pá, sim senhor!". Digam-me, onde está o crime. Aliás, pelo o que sei, a auto-estima tem que se construir desde cedo. 

 

"Epa olha, tens razão. Realmente estás muito consciente do meio que te rodeia. Estamos a viver cada vez mais num mundo de ofendidos. Qualquer dia temos todos que ir à missa, pá. A culpa disto tudo é das feministas" said no one ever

Ora, ainda bem que me interromperam. Essas estéricas peludas é que têm a culpa disto tudo. Hoje em dia, ser feminista, é como que pertencer a um gang, só que em vez de matarem ou assaltarem pessoas, matam e assaltam as liberdades pessoais dos homens. Que chatice. Ser homem está cada vez mais dificil com estas gajas pá. Como se não bastasse ter uma em casa, agora vem a espécie toda junta chatear. As coisas já não são como antigamente, perdeu-se o respeito, a noção, os bons valores e, acima de tudo, as boas cozinheiras. A caminhar assim, qualquer dia acabam também com as touradas. Insano.

 

 

O radicalismo destes seres levou a que distorcessem uma das coisas mais belas e culturalmente aceites em Portugal: o elogio artístico. Tal como tocar na rua, o piropo é uma forma de expressão individual pela boa aparência da mamalhuda que está mesmo a pedi-las, ou da porca que está de calções em pleno inverno. Tenho pena que haja quem não compreenda. A falta de sentido de humor, a falta de capacidade de interpretação das palavras dos homens leva a  uma maior limitação das liberdades individuais dos mesmos, como a LIBERDADE DE EXPRESSÃO, ainda que estas prejudiquem o próximo. É uma facada na cultura portuguesa. 

 

 

Temos que admitir que as consequências são dramáticas.

Vamos todas ter saudades de um "FOD**-TE TODA", enquanto estamos sozinhas à espera do autocarro. Por causa de mulheres que se dão ao trabalho de lutar pelos meus direitos, já não vou sentir aquele arrepiozinho ou a adrenalina de me ver sozinha com alguém que eu não conheço de lado nenhum e que me está a elogiar de uma forma bonita e, acima de tudo, honesta. Honestidade é uma boa caracteristica dos piropos. Depois não se queixem que as pessoas são falsas.

Provavelmente vão também ser menores as vezes em que vou sair de casa um pouco insegura com o tamanho das minhas coxas, a pensar que devia começar a fazer dieta, e de repente aparecer um herói com o dobro da minha idade e dizer "és toda boa" ou "Comia-te toda". Às vezes precisamos mesmo de elogios destes na nossa vida. Só não sabe quem não passa por elas. Queixam-se, queixam-se, mas no fundo todas gostam e , acima de tudo, precisam!

 

Já me questionei muitas vezes de onde surgiu esta proposta parva e acho que estou a finalmente a perceber: Esta ideia descabida aparaceu porque as feministas são preguiçosas e desleixadas, e não aceitam que as outras mulheres consigam lidar bem com a pressão da sociedade e percam horas a fazer os impossíveis para parecerem atraentes. Lá porque vocês são fracas e querem facilitismos, não quer dizer que as outras concordem, ok? E a partir do momento em que deixaram de fazer a depilação, por exemplo, sentiram que o número de elogios começou a diminuir. Com inveja, porque uma feminista é, acima de tudo, uma mulher, decidiram que se elas não são elogiadas nenhuma outra deve ser! As mulheres são bichos muito complicados e eu já as conheço bem. 

 

Portanto, assim se chegou a um ponto sem retrocesso na sociedade portuguesa. É o que dá deixar que as mulheres saiam da cozinha. Tudo se quer no seu lugar.

Assim, temos uma lei que se diz "para todos", uma lei que pretende o progresso da mentalidade das pessoas, uma lei que se diz protetora dos mais fracos, mas uma lei que não pensa na liberdade de expressão do tuga rebarbado, que acha que pode expressar o seu sentimento de superioridade abrindo a boca para dizer merda. Isto é uma lei discriminatória, já pensaram nisso? 

 

 

Nem eu, o meu problema é estar aqui a remoer-me por ter engordado e a culpar-me por não me ter inscrito no ginásio antes de chegar o verão. Preciso que alguém me diga de uma forma honesta que estou bem como estou.