Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Não, mas agora a sério...

Estava a gozar.

Não, mas agora a sério...

Estava a gozar.

11.Jul.18

Não posso ir à praia... que chatice

Há dois tipos de pessoas no mundo: as que gostam de ir à praia e as que adoram. Eu, como membro mal integrado na sociedade, não me encaixo em nenhum dos tipos. Portanto, todos os verões, lido com o desafio de inventar as desculpas mais criativas e ao mesmo tempo convincentes, para recusar tais serões.

Em momentos de menor paciência ou criatividade, caio no erro de admitir que não gosto de ir à praia e aí surge um "como assim não gostas de praia?!", levando-me a sentir a pessoa mais atípica deste mundo. Como se não bastasse, isto leva a que tenha mesmo que explicar o motivo... que são vários:

 

Areia. Não há praias sem ela, pelo menos que eu conheça. E é uma chatice ter como objetivo manter a toalha isenta de algo que voa constantemente para lá, quer pela ação da natureza que normalmente se vira contra os mais fracos (seleção natural), ou simplesmente pela ação das crianças que teimam em correr a milimetros das toalhas de quem está a tentar ignorar a vida. Conselho para os pais: levem os miúdos à água quando eles quiserem e deixem-nos lá até quererem sair (que é nunca).

 

Bolas. É muito giro jogar coisas que as envolvam... raquetes, voleibol, futebol, o que seja. No entanto é uma merda estar a tentar desligar do mundo, mas ouvir o típico barulho das raquetes ou dos chutos na bola e esperar não fazer parte da trajetória. As crianças não melhoram a cena aqui, mais uma vez. O único som relacionado com o ponto e que me apraz ouvir na praia é a sineta seguida de "OLHA A BOLA DE BERLIM". Deliro. 

 

Escaldões: Bem, este é fácil de explicar. Que eu não consigo produzir melanina como uma pessoa normal e bronzear? Já aceitei... Mas ter que ficar com um escadão só porque decidi sair dos meus aposentos e ir molhar o pezinho não dá para lidar. É mesmo a natureza a insistir que aquele não é o meu meio. E eu já percebi, só falta a sociedade chegar lá.

 

Vento: Adormecer profundamente e acordar sem nada ao nosso redor é assustador. Comer um gelado nestas situações também é desafiante. Conselho: levem uma picareta na mala de forma a prenderem bem o guarda-sol.

 

Protetor-solar: Os tições não compreendem, mas há mesmo quem tenha que usar o protetor 50+ e estar constantemente a renovar as camadas. Ficar em modo "panadinho" também não é uma escolha, mas o pessoal aprende a lidar, ou faz como eu e evita.

 

Última razão e mais estupida: o summer project que nunca acontece. Pois é, quem nunca se deixou andar o inverno todo e a guardar a dieta e o ginásio para o dia seguinte que atire a primeira pedra... 

 

 

 

2 comentários

Comentar post